Meus podres televisivos
quarta-feira, fevereiro 03, 2010 | Author: Ju
Eu gosto de um lixo televisivo. Tb gosto dos programas "com conteúdo", mas adoro uma baboseira, mais que isso adoro os clichês das baboseiras e isso me diverte MUITO. Ainda mais por ter um marido que com um empurrãozinho acaba assistindo as merdas que eu gosto e que consegue compreender muito bem o que eu estou falando e acaba se divertindo tb. Atualmente tem dois exemplos claros do que a gente tem assistido: a novela Viver a Vida e o BBB. Primeiro Viver a Vida, quero deixar claro que eu não assisto qualquer novela que passa, as baboseiras da Glória Perez que mistura Marrocos + Clone, Estados Unidos + Rodeio e todas essas bobeiras multitemáticas sempre com um outro país exótico envolvido não desce. Toni Ramos de indiano? Não dá, não dá. Nem com muito bronzeamento artificial. Mas voltando, eu gosto de novela do Manoel Carlos, e são as únicas que eu assisto, quer fórmula melhor que ter o núcleo do Leblon onde todos são podres de ricos donos de helicópteros, iates e hotéis + uma trama principal + muitos personagens secundários + um bebum? Adoro os clichês do Maneco: chamar médico de Dr. Moretti, as protagonistas de Helena, vovô Zé Mayer de galã. Acho demais. Zé Mayer pegador. Diz se não é piada pra te divertir? A Taís Araujo, Helena da vez é tão má atriz que chega até a irritar, não convence nem criança, quando surge algo tenso arregala os olhos, abaixa o queixo em direção ao pescoço e balança a cabeça compulsivamente, pode reparar! Mas tem coisas que só as novelas do Maneco te propiciam: rico chamando helicóptero de "aparelho", motorista chamado Jarbas, empregadas intrometidas e barracos. Ninguém faz um barraco como o Maneco. Principalmente com bebum envolvido. Porém nessa novela o Maneco tá devendo uma festa luxuosa com barraco, a última festa foi a de "100 anos da Vila" onde os personagens do núcleo "merchan" moram. Foi muito tosco! Até parece que o núcleo hype-fashion do Leblon ia dar as caras numa festa de pobre com forró tocando e direito a mesa com vasinho de flor pra gentalha disputar no tapa pra levar pra casa depois.

Agora o BBB. O programa mais sem cérebro da Tv eu admito, aquele que não tem nada que presta e que os mais moralistas fazem questão de crucificar. Eu adoro. Nessa edição seria melhor dizer "Adogo" por causa da drag com a língua presa. Aprendo algo com o BBB? Lógico que não. Assistir o BBB é uma atividade que dispensa totalmente o uso do cérebro. Pra participar tb. Que o diga Eliéser. Eliéser é um completo tapado, solta pérola atrás de pérola, o melhor foi ver ele com uma camiseta escrita "Smart Boy" no domingo, tive ataque de riso, foi o cúmulo da ironia. Não quero que o Eliéser saia, senão perderei muitas pérolas! Adogo os bibas tb! E o Dourado! O Dourado é ligeiro, sabe direitinho o papel que tem que fazer pra vencer o programa, só resta saber se vai conseguir ser coerente o tempo todo.

Pra quem curte a podridão e está fora do Brasil dá pra ver a novela pelo Youtube, o pessoal posta assim que acaba no Brasil, todo dia tem capítulo fresquinho. E para o BBB dá pra ver pelo http://www.canaistv.com.br/

Depois desse post devo ter perdido o respeito de mais da metade dos meus leitores. Mas que atire a primeira pedra quem nunca acompanhou uma porcaria televisiva.
This entry was posted on quarta-feira, fevereiro 03, 2010 and is filed under , . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

2 comentários:

On sexta-feira, fevereiro 05, 2010 2:22:00 PM , Carol e Luciano disse...

Ju, vc tem toda a razão. Eu, a contragosto do marido, adoro o BBB, todo ano digo a mesma coisa: esse ano não assisto aquela M! kkkkkkkkkk Não adianta, basta ver 1 vez que o vício volta :)
Gostei da dica do site pq já tava preocupada como faria para assistir.
BJs
Carol

 
On domingo, agosto 22, 2010 12:08:00 PM , Nanny Kyrillos disse...

OI Ju,
adorei seu blog e a forma divertida que você se comunica! Adorei o lance do Toni Ramos de indiano...nem com muito bronzeamento artificial!!! Quem mora em Toronto sabe bem identificar um indiano, principalmente pelo indiscutível sotaque!
Viva o Curry!!!
Beijos